Policial Super Destaques

Caso Pavesi: TJMG nega habeas corpus a médico condenado por morte e retirada ilegal de órgãos de garoto

Ianhez participou do julgamento remotamente e, por isso, não foi preso após o júri. Ele ainda não foi encontrado pela polícia (Reprodução / Redes Sociais Álvaro Ianhez)

Por se tratar de uma criança, o juiz considerou o crime como hediondo e o médico foi acusado de homicídio qualificado por motivo torpe. O condenado não poderá recorrer em liberdade.

Segundo a denúncia do Ministério Público, Álvaro e outros médicos são acusados de adotar procedimentos ilegais para forjar a morte cerebral de Paulo Pavesi e, em seguida, retirar e transplantar os órgãos do menino.

O júri de Ianhez começou nessa segunda-feira (18) pela manhã e o julgamento foi interrompido no início da noite. Seis pessoas prestaram depoimento, incluindo o pai da criança, que foi ouvido como informante, além do próprio réu. Todos os depoimentos foram feitos por vídeoconferência. O médico estava em São Paulo (SP) e o pai da vítima foi ouvido de Milão, na Itália. As outras testemunhas estavam em Poços de Caldas, Campinas (SP), Porto Alegre (RS) e Cruzília (MG).

Em janeiro deste ano, a Justiça condenou a 25 anos de prisão dois dos três médicos envolvidos na morte de Paulo: José Luis Gomes da Silva e José Luis Bonfitto. Eles também não poderão recorrer em liberdade.

Marco Alexandre Pacheco da Fonseca foi absolvido pelo júri. A conclusão é que a atitude dele não gerou a causa da morte do menino. Outros médicos ainda serão julgados.

Caso Pavesi 
O caso teve início em 19 de abril de 2000, quando Paulo Veronesi Pavesi, de 10 anos, caiu de uma altura de 10 m no prédio onde morava, em Poços de Caldas.

O menino foi levado para o Hospital Pedro Sanches e, dois dias depois, transferido para a Santa Casa da cidade, onde os médicos teriam constatado a morte cerebral e os órgãos da criança foram retirados e transplantados.

De acordo com a Justiça, os profissionais adotaram procedimentos incorretos na declaração de morte e remoção dos órgãos de Paulo Veronesi. A suspeita é que o menino estava clinicamente vivo quando seus órgãos foram retirados.

O caso levou a uma investigação sobre irregularidades no esquema de transplante de órgãos em Poços de Caldas.

A conclusão do inquérito da Polícia Federal apontou que o exame para constatar a morte cerebral de Paulo Veronesi foi feito de forma irregular.

A investigação deu origem a outros inquéritos e a Santa Casa perdeu o credenciamento para realizar transplantes de órgãos. De acordo com o Ministério Público, a documentação que comprovou a morte encefálica do menino foi forjada com objetivo de tornar a criança uma doadora.

Fonte: Hoje em Dia

Eldorado1300

AGENDA

agosto 2022
D S T Q Q S S
 123456
78910111213
14151617181920
21222324252627
28293031  

Publicidade

ARQUIVO GERAL

Alvaro Vilaça

Alvaro Vilaça

Jornalista, radialista, âncora do programa Tempo Esportivo na TV Sete Lagoas e diretor de programação da Rádio Eldorado AM1300

Redação Redação

Redação Redação

SILVA JUNIOR

Avatar

Cebolinha

Arnaldo Martins

Arnaldo Martins

Colunista do Hoje Cidade a mais de 20 anos, formado em Assistente de Administração de Empresas, funcionário público.

Rádio Eldorado