DicasWeb

Realidade virtual pode melhorar qualidade de vida dos idosos, mostra pesquisa da UFMG

Ilustrativa

Pessoas de 60 a 80 anos podem ter mais qualidade de vida por meio do metaverso, uma evolução da internet atual. Pesquisa da UFMG mostra que a independência e a autonomia dos idosos aumentam com a ajuda dessa realidade virtual.

A tecnologia é capaz de aprimorar funções como atenção e memória ao imitar ações do cotidiano. As atividades cerebral e motora são estimuladas para o público com mais dificuldade nas tarefas do dia a dia, seja pela idade ou condição de saúde.

Pessoas de 60 a 80 anos podem ter mais qualidade de vida por meio do metaverso, uma evolução da internet atual. Pesquisa da UFMG mostra que a independência e a autonomia dos idosos aumentam com a ajuda dessa realidade virtual.

A tecnologia é capaz de aprimorar funções como atenção e memória ao imitar ações do cotidiano. As atividades cerebral e motora são estimuladas para o público com mais dificuldade nas tarefas do dia a dia, seja pela idade ou condição de saúde.

O participante da pesquisa e coordenador do Núcleo de Neurociências do Movimento da Escola de Educação Física, Fisioterapia e Terapia Ocupacional (EFFTO) da UFMG, Guilherme Menezes Lage, trabalha com estudo de comportamento motor, e investiga se o treinamento por meio da realidade imersiva poderá melhorar não só a parte cognitiva, mas também a motora.

“Queremos proporcionar uma forma de treinar e melhorar as funções cerebrais, o que desencadearia melhora na função motora e, como consequência, um impacto na vida dos idosos. Caso os resultados da pesquisa sejam favoráveis, há um forte potencial para a aplicação deste treinamento de forma mais ampla”, disse.

Impacto social
Para o coorientador da pesquisa, professor Erickson Rangel do Nascimento, do Departamento de Ciência da Computação (DCC), o projeto tem um impacto social gigantesco. Há benefícios, por exemplos, para indivíduos sem condição de executar exercícios físicos pela perda muscular e para aqueles que não podem se deslocar para as atividades de reabilitação.

Segundo ele, o atendimento pode ser realizado em casa, o que democratiza o acesso a terapias em alguns casos.

“Não precisará que um fisioterapeuta ou um médico realizem presencialmente o atendimento na clínica. Haverá acesso àqueles que não têm condições financeiras e, também, aos que têm restrições físicas”, acrescenta.

A próxima etapa do estudo está prevista para terminar em dezembro de 2022, e será aplicado um treinamento com mais 60 idosos.

Fonte: Hoje em Dia

Redação Redação

Redação Redação

COMENTAR

Clique aqui para enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Eldorado1300

AGENDA

julho 2022
D S T Q Q S S
 12
3456789
10111213141516
17181920212223
24252627282930
31  

Publicidade

ARQUIVO GERAL

Alvaro Vilaça

Alvaro Vilaça

Jornalista, radialista, âncora do programa Tempo Esportivo na TV Sete Lagoas e diretor de programação da Rádio Eldorado AM1300

Redação Redação

Redação Redação

SILVA JUNIOR

Avatar

Cebolinha

Arnaldo Martins

Arnaldo Martins

Colunista do Hoje Cidade a mais de 20 anos, formado em Assistente de Administração de Empresas, funcionário público.

Rádio Eldorado